terça-feira, 30 de outubro de 2018

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Assinados nos Açores contratos para 16 pontos de carregamento de carros elétricos

O Governo dos Açores assinou esta segunda-feira com a Galp e a Mobiletric contratos que vão garantir a implementação de 16 pontos de carregamento de carros elétricos, momento de "elevada importância" para o executivo na sua estratégia para a energia. 

"Este é um momento que encaramos com elevada importância, sendo mais um passo de uma estratégia que temos vindo a desenvolver e a implementar nos Açores em prol do fomento da mobilidade elétrica regional", assinalou a secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Guerreiro.

A governante falava em Ponta Delgada, onde esteve com representantes da Galp e Mobiletric na formalização dos contratos de concessão de serviços de exploração de pontos de carregamento de mobilidade elétrica na região.

A mobilidade elétrica, realça Marta Guerreiro, é uma "estratégia prioritária da política regional pelas melhorias económicas e ambientais" que representa.

Nesta fase foram concessionados 16 dos 26 lotes de serviços de exploração de pontos de carregamento previstos, sendo que, para os dez lotes que ficaram excluídos, o executivo "irá contratualizar a sua exploração" junto das autarquias locais.

Ainda no que refere às câmaras municipais, a titular da pasta da Energia do executivo açoriano diz que existem protocolos a ser celebrados com vista à "discriminação positiva" dos utilizadores de carros elétricos, nomeadamente garantindo a estes "estacionamento reservado e gratuito", algo já em vigor nas ilhas das Flores e do Corvo.

"Além disto, o executivo açoriano está a conceber um quadro de incentivos financeiros, sob a forma de subsídio não reembolsável, bem como incentivos de natureza fiscal, fomentando, deste modo, a adoção da mobilidade elétrica", prosseguiu.

Pela Galp, Nicolle Fernandes, responsável de Inovação e Eficiência Energética, valorizou a "disponibilidade" do executivo dos Açores e reiterou a aposta no "plano de expansão" da empresa no que refere à mobilidade elétrica, que passa pela região autónoma.

Já o responsável da Mobiletric, João Gomes, realçou que a "autonomia não é uma limitação" e disse ainda ser necessário "descarbonizar o setor dos transportes", sendo os Açores um bom exemplo do que se pode fazer nesta matéria.

À Galp-Açores/Galpgest foram adjudicados dez pontos de carregamento rápido: quatro em São Miguel, dois na Terceira, um no Pico, um no Faial, um em São Jorge e um nas Flores; já à Mobiletric foram adjudicados três pontos em São Miguel, um em Santa Maria, um na Graciosa e um em São Jorge.

Depois da assinatura dos contratos segue-se a segunda fase do projeto, de aquisição, montagem e manutenção dos pontos de carregamento concessionados, sendo de esperar que, "no próximo ano", haja já vários destes pontos ativos.


Fonte: Açoriano Oriental


Crescimento acentuado do consumo das famílias nos Açores

As compras de produtos alimentares nas superfícies comerciais dos Açores cresceram, a preços constantes, 4,15% em setembro, face ao mesmo período de 2017, de acordo com a informação do Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA).

Considerando os valores corrigidos de sazonalidade, o crescimento é significativo, ou seja, 4,4% na média dos últimos 12 meses, refletindo estabilidade no crescimento deste indicador de consumo das famílias, avança nota publicada no Gacs.

Relacionado também com o consumo privado, e segundo informação divulgada pelo SREA, as compras com cartão eletrónico atingiram perto de 80 milhões de euros no mês de setembro, aumentando 6,4% em termos homólogos, sendo que cerca de 70 milhões são de compras com cartão de bancos nacionais, o que representa um acréscimo de 5%.

Dizem os dados que no mês de setembro, o valor global dos levantamentos (50,2 milhões de euros) e das compras através de cartão (79,8 milhões de euros) teve um aumento homólogo de 4%, atingindo 130 milhões de euros.

Ainda de acordo com o Serviço Regional de Estatística dos Açores, no 3.º trimestre deste ano, que abrange os meses de verão, as compras efetuadas por intermédio de terminais de pagamento automático totalizaram 270 milhões de euros, crescendo 8% em comparação com igual período do ano anterior.


Fonte: Açoriano Oriental


segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Executivo regional desafia empresários a aproveitarem acordos europeus para internacionalizar economia

O secretário regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas destacou esta segunda-feira, em Ponta Delgada, a importância de se aproveitarem os acordos comerciais europeus para a “internacionalização da economia açoriana”.

Rui Bettencourt, que falava na sessão de esclarecimento sobre o Acordo de Comércio Livre da União Europeia com o Canadá (CETA), que contou também com a presença do secretário regional da Agricultura e Florestas, afirmou citado em nota do gacs, que "o acordo de comércio entre a União Europeia e o Canadá vem trazer novas perspetivas para a exportação e internacionalização dos Açores, nomeadamente nos produtos lácteos, mas não só”.

Rui Bettencourt salientou que, depois de se terem realizado uma série de encontros com os açorianos para explicar o que é o acordo CETA, esta é a "altura de ver como é que as coisas estão a funcionar na prática e analisar todos os detalhes relacionados com este assunto".

No caso do acordo UE-Canadá, o governante sublinhou a particularidade da relação entre os Açores e o Canadá devido à Diáspora açoriana que “abre portas em termos comerciais”, adiantando que já demonstraram interesse pelo queijo, em particular, mas também em relação à carne.

Por seu lado, o secretário regional da Agricultura e Florestas afirmou que o CETA constitui um grande desafio para os empresários açorianos aumentarem a exportação, sobretudo de produtos lácteos certificados e obterem maiores ganhos, podendo posteriormente as indústrias pagar melhor.

“É verdade que as exportações da Região cresceram cerca de 9% no último ano. É um bom indicador. A grande maioria são produtos lácteos e, na verdade, há aqui uma oportunidade por via deste acordo, que tem a ver, desde logo, com o mercado da diáspora, que é de extrema importância”, salientou João Ponte, igualmente citado em nota do Gacs, acrescentando que importa também conquistar mercado junto da restante comunidade canadiana.

Além do leite, também os vinhos dos Açores são produtos com grande potencial para exportar para o Canadá, assegurando João Ponte que o Governo dos Açores está disponível para apoiar, dentro das regras definidas, a internacionalização da economia regional.


Fonte: Açoriano Oriental


Praia da Vitória é finalista a Município do Ano

A Praia da Vitória é finalista a “Município do Ano”, concorrendo com mais três autarquias dos Açores, num total de 35 municípios nacionais.  

A candidatura da Praia da Vitória resulta do projeto “Eco-restauro ecológico da Zona Húmida Costeira”, ou seja, do trabalho desenvolvido no âmbito da recuperação dos pauis da Praia da Vitória, refere nota de imprensa.

Este evento nacional, promovido pela plataforma UM-Cidades da Universidade do Minho, vai distinguir os melhores Municípios do Ano, distribuídos por nove categorias, numa gala que se realizará em Guimarães, no próximo dia 16 de novembro.

A Praia da Vitória foi nomeada como finalista, tal como outros três projetos açorianos, nomeadamente o “Ecoquiosque da Semana do Mar” (Horta), “Madalena, Capital dos Açores da Vinha e do Vinho” (Madalena do Pico) e “Uma Biblioteca para Todos” (Ribeira Grande).

No total existem 35 municípios finalistas que apresentaram candidaturas a este projeto da Universidade do Minho, através da sua plataforma UM-Cidades, visando reconhecer e premiar as boas práticas em projetos implementados pelos municípios com impactos assinaláveis nas vilas, cidades e no território, na economia e na sociedade, que promovam o crescimento, a inclusão e/ou a sustentabilidade dos municípios portugueses. Para além deste objetivo central, esta organização pretende também distinguir os municípios que colocam na agenda a temática do desenvolvimento integrado dos territórios, dando visibilidade a realidades diversas que incluam as cidades, mas também os territórios de baixa densidade nas diferentes regiões do país.


Fonte: Açoriano Oriental


quinta-feira, 18 de outubro de 2018